31 de julho de 2017

Igrejas são proibidas de ensinar a Bíblia para crianças na China

Atividades como as Escolas Bíblicas serão proibidas em uma província chinesa, após autoridades do Partido Comunista emitirem uma ordem oficial

Igrejas são proibidas de ensinar a Bíblia para crianças na ChinaEm um esforço para conter o crescimento do cristianismo na China, oficiais do Partido Comunista na província de Zhejiang, emitiram ordens para fechar as escolas dominicais e proibir as crianças de irem a eventos cristãos infantis, como as Escolas Bíblicas de Férias.
"Há um bom tempo, adolescentes e estudantes não têm permissão para participar de atividades bíblicas", disse um cristão local chamado Zhang à organização de apoio à Igreja Perseguida 'China Aid', fazendo referência a uma lei chinesa que busca controlar o crescimento da fé cristã entre as crianças.
"No entanto, a Igreja das Três Autonomias [única denominação autorizada pelo governo] e as igrejas domésticas [clandestinas] pretendem continuar realizando os eventos bíblicos de férias durante o verão. O governo então enfatizou que até mesmo os ensinos eventuais seriam vetados. A principal intenção do governo, é fechar as escolas dominicais. "
Pouco tempo atrás, o Comitê Patriótico Provincial das Três Autonomias de Henan e o Conselho Provincial de Henan, na China, proferiram um pedido que impedia as igrejas de organizarem acampamentos de verão para menores de idade e estudantes, citando as "altas temperaturas" como um possível "risco para a saúde".
Um cristão de Henan disse que esses acampamentos cristãos geralmente foram permitidos em verões anteriores, e o governo originalmente só interferiria se eles tivessem recebido uma denúncia sobre o evento.
"O governo está tentando controlar a religião", disse Zhang à saída. "Durante os tempos do presidente chinês, Jiang Zemin e Hu Jintao, o governo era tolerante com relação à pregação do Evangelho e o trabalho missionário. Depois que Xi Jinping entrou no poder, a repressão sobre as religiões se fortaleceu".
A China ocupa o 39º lugar na lista dos 50 países da registrados pela Missão Portas Abertas, como os lugares onde os cristãos mais sofrem repressão. Durante o ano passado, o presidente Xi Jinping ordenou que o Partido Comunista "traga sob a tradição chinesa" as minorias étnicas e religiosas do país em esforços para combater o "extremismo" religioso. As autoridades acreditam que o cristianismo, cujos seguidores são considerados concorrentes em número dos 85 milhões de membros do Partido Comunista, "representa uma grande ameaça" para a sua estabilidade a longo prazo.
Repressão crescente
Como relatado anteriormente, as autoridades chinesas alertaram os pais cristãos de que, se eles continuassem levando seus filhos para igrejas não aprovadas pelo governo, seus filhos seriam impedidos de ingressar na faculdade ou servir nas forças armadas, enfrentando penalizações em ações legais. O governo autorizou o funcionamento da denominação protestante, chamada 'Movimento Patriótico das Três Autonomias', mas proíbe especificamente seus membros de promover a "lavagem cerebral" em adolescentes, com "crenças religiosas".
Apesar da contínua perseguição dos cristãos na China, o Evangelho continua a se espalhar em proporções cada vez maiores. Exemplo disso é o número crescente de pais que estão "implorando" aos professores que ensinem a seus filhos sobre Jesus.
Falando à CBN News, Sean Elgut, o pesquisador e diretor da universidade cristã 'Veritas', na Virginia (EUA), revelou que as escolas cristãs estão em alta na China. Enquanto muitos chineses são ateus ou budistas, a maioria dos pais está aberta ao cristianismo, e alguns até incentivam seus filhos a aprenderem tudo o que podem sobre Cristo.
"Os pais chineses começam a perceber que a educação cristã está além dos livros didáticos. Os pais querem que seus filhos vivam com fé. Eles nos imploram para ensiná-los sobre Jesus", disse Elgut.
Além de ensinar valores cristãos, os professores passam tempo de qualidade com os estudantes na esperança de levá-los a Cristo.
"O tempo é importante. Queremos passar mais tempo com eles, assim como Jesus fez com seus discípulos. Ele investiou tempo com eles e os ensinou", Disse Sean.